Make your own free website on Tripod.com

 agua-05.gif

Trindade ou Divindade ? Segundo Ellen G. White

 

Divindade  – Segundo EGW

"Se os Testemunhos não falarem de acordo com a Palavra de Deus, rejeitai-os. Cristo e Belial não se unem." Testimonies, vol. 5, pág. 691 / Mensagens Escolhidas, Vol. 3, pág. 32

Caros irmãos,

Que a graça de Cristo Jesus esteja convosco.

Trataremos de um tema muito sério que envolve todos nós.

- A Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) foi levantada por Deus pelo cumprimento da profecia das 2300 tardes e manhãs, em 22 de outubro de 1844;

- A IASD foi estabelecida oficialmente como igreja em 1863, e teve o privilégio de receber mensagens diretamente do Céu por intermédio da irmã Ellen G. White, que a guiaram e a fundamentaram. A obra dada por Deus a Ellen G. White era bem definida, conforme ela mesma declara:

"Estou muito ocupada em escrever. Cedo e tarde, estou escrevendo os assuntos que o Senhor expõe diante de mim. A responsabilidade de minha obra é preparar um povo que permaneça em pé no dia do Senhor. Carta 371, 1907. " Mensagens Escolhidas, Vol. 3, pág. 49.

Assim, faria bem a cada adventista do sétimo dia atentar bem para os conselhos dados por ela à igreja. Afinal, eles são os testemunhos de Jesus dados a nós.

Como foram estabelecidas as Doutrinas na IASD:

"Muitos de nosso povo não reconhecem quão firmemente foram lançados os alicerces de nossa fé. Meu esposo, o Pastor José Bates, o Pai Pierce, o Pastor [Hiram] Edson, e outros que eram inteligentes, nobres e verdadeiros, achavam-se entre os que, expirado o tempo em 1844, buscavam a verdade como a tesouros escondidos. Reunia-me com eles, e estudávamos e orávamos fervorosamente... Quando, em seu estudo, chegavam a ponto de dizerem: 'Nada mais podemos fazer', o espírito do Senhor vinha sobre mim, e eu era arrebatada em visão, e era-me dada uma clara explanação das passagens que estivéramos estudando, com instruções quanto à maneira em que devíamos trabalhar e ensinar eficientemente. Assim nos foi proporcionada luz que nos ajudou a compreender as passagens acerca de Cristo, Sua missão e sacerdócio. Foi-me tornada clara uma cadeia de verdades que se estendia daquele tempo até ao tempo em que entraremos na cidade de Deus, e transmiti aos outros as instruções que o Senhor me dera”.

"Mediante cuidado e labor incessantes e esmagadora ansiedade, tem a obra ido avante, até que agora a verdade presente está clara, sua evidência não é posta em dúvida pelos sinceros. ... A verdade agora é tornada tão clara que todas a podem ver, e abraçar, se quiserem; mas foi necessário muito trabalho para trazê-la à luz como está, e tão árduo labor jamais terá de ser realizado outra vez para tornar a verdade clara."  MS 2, 26 de agosto de 1855

"Durante todo o tempo eu não podia compreender o arrazoamento dos irmãos. Minha mente estava por assim dizer fechada, não podia compreender o sentido das passagens que estudávamos. Esta foi uma das maiores tristezas de minha vida. Fiquei neste estado de espírito até que nos fossem tornados claros todos os pontos principais de nossa fé, em harmonia com a Palavra de Deus. Os irmãos sabiam que, quando não em visão, eu não compreendia esses assuntos, e aceitaram como luz direta do Céu as revelações dadas." Mensagens Escolhidas, vol. 1, págs. 206 e 207. (Special testimonies, Série B, 2, págs. 51-59, publicado em 1904).

- Em 1905, Ellen G. White escreveu:

“Deus me tem dado luz acerca dos nossos periódicos. O que é isto? Ele falou que os mortos hão de falar; como? As suas obras os seguirão. Nós estamos repetindo as palavras dos pioneiros em nosso trabalho; de quem sabe quanto custa procurar pela verdade como um tesouro escondido. Eles avançaram passo por passo sob a influência do Espírito de Deus. Um por um desses pioneiros já morreu. A palavra que me foi dada é: Faça com que, o que esses homens escreveram no passado, torne a ser escrito.

 Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo Espírito, deixe os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os raios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência.” 24 de Maio de 1905 - Manuscript Releases Vol. 1 pág. 55.

Sabendo que através de Ellen G. White foram dados os testemunhos de Jesus para a Igreja Adventista do Sétimo Dia, e considerando o que diz o testemunho acima, de que os artigos dos pioneiros deveriam ser re-impressos para que os homens não se desviassem do fundamento que Deus deu, em obediência a este testemunho, apresentamos alguns destes artigos dos pioneiros, publicados na Review and Herald, a Revista Adventista dos EUA, a principal publicação adventista (os originais escaneados seguem no endereço www.arquivoxiasd.com.br/parte2.htm, além de confirmar a autenticidade dos documentos poderá adquirí-los da própria sede mundial da iasd.

 O que Pensavam os nossos Pioneiros:

JAMES WHITE – Review and Herald - 07 de fevereiro de 1856

“A grande falta da Reforma foi que os reformadores pararam de reformar. Se tivessem  levado avante, não teriam deixado nenhum vestígio do papado atrás, tal como a natural imortalidade, batismo por aspersão, a trindade, a guarda do domingo, e a igreja agora estaria livre de erros escriturísticos.”

Nota: James White é o nome de Tiago White, marido de Ellen G. White, que foi presidente da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia por dois mandatos.

J.N. Lougborough – Review and Herald - 05 de novembro de 1861

“Esta doutrina da Trindade foi trazida para a igreja no mesmo tempo em que a adoração de imagens, e a guarda do domingo e não é mais do que a doutrina dos persas remodelada.”

Mais: 

JAMES WHITE – Review and Herald - 10 de novembro de 1863

A Doutrina da Trindade Degrada a Expiação:

“O grande equívoco dos trinitarianos, ao argumentarem esse assunto, parece ser esse: Eles não fazem diferença entre negar a Trindade e negar a divindade de Cristo. Eles só vêem os dois extremos em que está a verdade; tomam cada expressão referente à preexistência de Cristo como uma prova da Trindade. As Escrituras ensinam abundantemente a preexistência de Cristo e a sua divindade, mas são inteiramente silenciosas quanto à Trindade. A declaração que o divino Filho de Deus não morre, está tão longe dos ensinamentos da Bíblia como as trevas da luz. Eu perguntaria aos trinitarianos: A qual das duas naturezas devemos a redenção? A resposta seria obviamente a natureza que morre e que derramou seu sangue por nós; “pela qual tivemos redenção pelo seu sangue”. Então fica evidente que unicamente a natureza humana morre, e o nosso redentor é unicamente humano. O divino Filho de Deus não teve parte na nossa salvação, pela qual não morreu e nem sofreu. Eu estava certo, quando disse que a doutrina da Trindade degrada a expiação, trazendo o sacrifício, o sangue pelo qual fomos comprados, para baixo num padrão de comprometimento”.

R.F. Cottrell – Review and Herald - 06 de julho de 1869

“Sustentar a doutrina da Trindade, não é mais que uma evidência da intoxicação pelo vinho que todas as nações beberam. O fato dessa ser uma das principais doutrinas, senão a principal, pela qual o bispo de Roma foi exaltado ao papado, não recomenda muito em seu favor. Isto deveria fazer alguém investigar por si mesmo, como quando os demônios fazem milagres para provar a imortalidade da alma. Se eu nunca duvidei antes, agora eu tenho que ir até o fundo para provar... ”

JAMES WHITE – Review and Herald - 06 de julho de 1869

“Que uma pessoa seja três pessoas, e que três pessoas sejam uma só pessoa, é uma doutrina que nós podemos proclamar ser um doutrina contrária à razão e ao senso comum.”

Quando, em obediência ao conselho dos testemunhos dados a Ellen G. White, reapresentamos os artigos dos pioneiros de nossa fé para que nós não nos desviemos da verdade, vemos qual era a verdade dada por Deus aos pioneiros adventistas - que não há luz bíblica para se crer em uma "trindade". Ellen White foi comissionada por Deus a escrever, em 1905, após todos os artigos que apresentamos acima terem sido publicados na Review and Herald (Revista Adventista):

Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo Espírito, deixe os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os raios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência.” 24 de Maio de 1905 - Manuscript Release Vol. 1 pág. 55.

A pergunta que pode então vir a mente é: se de fato as coisas eram assim tal como os testemunhos e os artigos dos pioneiros dizem, porque a Igreja Adventista do Sétimo Dia passou a crer na doutrina da "trindade"? Como a igreja que dizia através de sua mais importante revista (Review and Herald) que a "trindade" era o vinho de Babilônia passou a dizer anos mais tarde que esta doutrina é claramente fundamentada na Bíblia? Teria Deus autorizado esta mudança através dos testemunhos de Ellen G. White? Encontramos um testemunho dado à serva do Senhor que responde satisfatoriamente esta pergunta:

Nós não podemos aceitar as palavras daqueles que trazem mensagens contradizendo os principais pontos da nossa fé. Eles juntam um mundo de textos e uma pilha de provas que sustentam as suas teorias. Isso tem acontecido sempre nos últimos 50 anos. Enquanto as Escrituras são a Palavra de Deus e devem ser respeitadas, se o que eles mostram altera um pilar do fundamento que Deus tem sustentado nesses passados 50 anos, é um grande engano. Os que recebem essas explicações sabem das maravilhosas demonstrações do Espírito Santo, que nos deu poder e força nas mensagens do passado, que vieram ao povo de Deus.” Ellen White, 1905, Manuscript Release No. 760: The Integrity of the Sanctuary Truth, pages 18-20

Aqueles que defendem a doutrina da "trindade" juntam uma "pilha de provas". Dizem que o Espírito Santo geme, intercede, guia os crentes, etc. e por isso devemos concluir que é um Deus. Como vimos no testemunho acima, se o que eles mostram, se "as pilhas de provas" que apresentam, alteram um pilar do fundamento que Deus sustentou durante cinqüenta anos, até 1905 (quando a IASD não cria na "trindade"), sua doutrina é um "grande engano". Fico feliz porque é o testemunho de Jesus dado a Ellen G. White que afirma isto e não eu. Notamos também que os defensores da "trindade" não apresentam um texto bíblico que diga claramente que "o Espírito Santo é um Deus", pois tal texto não existe.

Alguns dizem que a Igreja Adventista do Sétimo Dia não cria na doutrina da "trindade" e passou posteriormente a crer nela porque o conhecimento da verdade sobre Deus foi progredindo, e "a luz é progressiva". Se assim fosse, EGW não  teria dito que se a mensagem de 1888 fosse aceita, Cristo teria vindo em dois anos! E a “verdade” sobre a trindade ainda não havia sido estabelecida... Mesmo assim, Cristo viria!

Todavia, os testemunhos de Ellen G. White, escritos em 1903 e 1904, afirmam que a igreja estava com os pontos principais de sua fé claramente definidos, e a irmandade estava em harmonia quanto a eles.

Mas as doutrinas Bíblicas só têm valor, porque vieram de Elohym e foram apresentadas por meio de um ministério profético (escritores bíblicos e ultimamente através de EGH). E a doutrina da Trindade, jamais teve aval de qualquer profeta de Elohym. Ellen G. White, jamais usou a palavra “trinity” para defender tal doutrina, e muito menos a doutrina como sendo de origem Divina.

Os pontos principais da nossa fé, tal como temos hoje, foram firmemente estabelecidos. Ponto por ponto foi claramente definido e toda a irmandade veio em harmonia. A inteira congregação de crentes está estabelecida na verdade. Há aqueles que vieram com estranhas doutrinas, mas nós não tememos encontrá-los. Nossa experiência foi maravilhosa e estabelecida pela revelação do Espírito Santo.” Ellen White - MS. 1903.

"Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntei pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele." Jer. 6:16.

Não procure ninguém remover os alicerces de nossa fé - os alicerces lançados no princípio de nossa obra, pelo piedoso estudo da Palavra e pela revelação. Sobre estes alicerces temos estado a construir nestes cinqüenta anos passados. Poderão os homens supor que tenham achado um novo caminho, e sejam capazes de lançar um alicerce mais firme do que o já lançado. Mas isto é grande engano. Homem nenhum poderá pôr outro fundamento além do que já foi posto.” (Adventist Review and Sabbath Herald, 03/03/1904) Testemunhos Seletos Vol. 3, págs. 273, 274

Perguntamos então: 

- se a igreja adventista publicava em sua principal revista, Review and Herald, durante 50 anos, artigos que afirmavam que a doutrina da "trindade" faz parte do vinho de Babilônia;

- se, de acordo com os testemunhos os pontos principais da fé, mantidos durante estes 50 anos, estavam firmemente estabelecidos e não deveriam ser mudados;

- se os crentes estavam em harmonia quando a sua crença, após estes 50 anos passados;

...quem estava interessado em fazer a mudança doutrinária na Igreja Adventista do Sétimo Dia – fazer com que ela abandonasse sua doutrina original sobre o Deus único (bíblico) e passasse a crer na "trindade" (pagã)?

Os testemunhos dados por Deus a Ellen G. White respondem:

O inimigo está procurando desviar o espírito de nossos irmãos e irmãs da obra de preparar um povo que subsista nestes últimos dias. Seus sofismas destinam-se a desviar a mente dos perigos e deveres do momento. Avaliam em nada a luz que, por intermédio de João, Cristo deu ao Seu povo, para isso descendo do Céu. Ensinam que as cenas que estão justamente diante de nós não são de importância suficiente para merecer atenção especial. Tornam de nenhum efeito a verdade de origem celestial, roubam ao povo de Deus sua experiência passada, dando-lhes em seu lugar uma ciência falsa”.

"O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistiria em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé, e empenhar-se num processo de reorganização. Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade, que Deus em Sua sabedoria concedeu à igreja remanescente. Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra neste últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros. Estabelecer-se-ia uma nova organização. Escrever-se-iam livros de ordem diferente. Introduzir-se-ia um sistema de filosofia intelectual. Os fundadores deste sistema iriam às cidades, realizando uma obra maravilhosa. O sábado seria, naturalmente, menosprezado, como também o Deus que o criou. Coisa alguma se permitiria opor-se ao novo movimento. Ensinariam os líderes ser a virtude melhor do que o vício, mas, removido Deus, colocariam sua confiança no poder humano, o qual, sem Deus, nada vale. Seus alicerces se fundariam na areia, e os vendavais e tempestades derribariam a estrutura. Quem tem autoridade para iniciar semelhante movimento?" Mensagens Escolhidas, Vol. 1, págs. 204, 205.

O testemunho acima revela que era a intenção de Satanás introduzir na mente dos adventistas que uma reforma devia ser efetuada entre os adventistas do sétimo dia, para renunciar as doutrinas já estabelecidas. Coloca também uma série de outros fatos que ocorreriam caso Satanás conseguisse seu intento. Pois bem, vamos analisar resumidamente alguns pontos deste testemunho e ver se ele se cumpriu:

1 - O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistiria em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé...

Não é muito difícil de verificar se Satanás obteve sucesso em conseguir o que queria. Os pioneiros adventistas publicavam na Review and Herald, por 50 anos, que a "trindade" fazia parte do vinho de Babilônia, e o testemunho dado a Ellen G. White confirmou que o corpo de doutrinas da Igreja Adventista já estava estabelecido e não deveria ser mudado. Hoje vemos a Igreja Adventista publicando na Revista Adventista artigos defendendo a doutrina da "trindade". Portanto, concluímos que, obviamente, a doutrina da Igreja Adventista (IASD) foi mudada. Satanás conseguiu colocar na mente de alguns pastores adventistas de que as doutrinas deveriam ser mudadas. Um dos pastores que podemos citar sem medo de errar é o Pr. Leroy E. Froom, conhecido no meio adventista como o pai da "trindade". Ele foi o pastor que mais trabalhou para efetuar a mudança na doutrina da Igreja Adventista.

2 - Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade...Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra neste últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros.

Também não é difícil verificar que esta parte do testemunho se cumpriu. Hoje, tanto nos artigos que lemos na Revista Adventista, quanto nas pregações sobre este tema que têm sido feitas na Igreja Adventista, ouvimos dizer que os pioneiros estavam errados sobre este assunto, porque eram arianos e não criam na Divindade de Cristo.

3 - Escrever-se-iam livros de ordem diferente.

Introduzir-se-ia um sistema de filosofia intelectual. Os fundadores deste sistema iriam às cidades, realizando uma obra maravilhosa.

Facilmente podemos verificar que esta parte do testemunho também se cumpriu. Para defender a doutrina da "trindade", foram escritos livros como "A Vinda do Consolador", de Leroy E. Froom, e, mais recentemente, "A Trindade", escrito por três doutores da universidade adventista - Andrews University. Estes livros são de "uma ordem diferente" se comparados aos artigos escritos pelos pioneiros e publicados durante 50 anos na Review and Herald, que afirmavam que a doutrina da "trindade" fazia parte do vinho de Babilônia e não tinha base bíblica.

4 - Coisa alguma se permitiria opor-se ao novo movimento.

Esta parte do testemunho também está se cumprindo hoje. Aqueles que se opõem a mudança doutrinária que foi feita (inclusão da "trindade" no corpo de crenças das doutrinas adventistas), e se levantam convidando o povo a voltar à crença dos pioneiros são chamados de “filhos do diabo” cumprindo-se João 16:2 que diz: Expulsar-vos-ão das sinagogas; ainda mais, vem a hora em que qualquer que vos matar julgará prestar um serviço a Deus.

Como podemos observar, o testemunho que apresentamos acima foi cumprido à risca até o momento. Que poderemos aguardar para o futuro senão o restante do cumprimento do mesmo?

Não estamos convidando você a sair da IASD. Pelo contrário - em nome de Jesus, que uma dia levantou os adventistas como povo para pregar as três mensagens angélicas, rogamos a você que convide os irmãos da igreja a voltarem à crença dos nossos pioneiros adventistas, ao fundamento da verdade que Deus deu e que permaneceu por 50 anos inalterado. Não é necessário que a estrutura da Igreja Adventista seja derribada e a igreja venha a ser destruída. Este não foi o plano original de Deus para ela. Deus afirma claramente em Sua Palavra:

"Mas, se o perverso se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os Meus estatutos, e fizer o que é reto e justo, certamente, viverá, não será morto. De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou, viverá. Acaso tenho Eu prazer na morte do perverso?" Ezequiel 18:21-23.

Reconheça no apelo acima a voz de Deus à sua alma e à Igreja Adventista. Volte à crença nos alicerces como foram dados à Igreja Adventista, e convide os irmãos da igreja a fazer o mesmo, independentemente do que  possam fazer a você. Abandone a crença nesta doutrina falsa da "trindade", que como os pioneiros adventistas escreveram com tanta clareza, faz parte do vinho de Babilônia. Lembre-se que Deus ratificou o que estes pioneiros escreveram e publicaram durante cinqüenta anos pelo testemunho dado a Ellen G. White. Não deseja você estar sobre o agrado de Deus, aceitando as doutrinas, os alicerces da fé, tais como foram dados aos pioneiros e aprovados por Deus?

EGW Sobre o Espírito:

Uma outra maneira para descobrirmos qual a visão da Sra. White sobre a questão do Espírito Santo, é fazendo uma comparação entre suas obras publicadas enquanto viva. O livro "O Desejado de Todas as Nações", que segundo os teólogos adventistas, define a entrada da IASD no caminho do trinitarianismo, precisa ser comparado com o livro "Atos dos Apóstolos". Para os teólogos adventistas trinitarianos, o livro "DTN" é um marco no trinitarianismo da IASD.

Antes de embarcarmos no raciocínio dos teólogos profissionais, algumas observações merecem ser feitas. O livro "DTN" foi publicado em 1898. A partir dessa data devemos esperar que a Sra. White não tenha mais dúvida à respeito do que seja o Espírito Santo. Depois da publicação do "DTN", caso a Sra. White tenha se convertido ao trinitarianismo (deixado de ser “semi-ariana” – você conhece a verdadeira história de Ários?), seu discurso em relação ao Espírito Santo, deveria ser claro e harmônico com o Dogma da Trindade. Ela não deveria ter dúvidas de que o Espírito Santo é uma pessoa, e a terceira formadora do Deus triúno, igual ao Pai e ao Filho. Porém, o que se observa é que, após treze anos da publicação do "DTN", a Sra. White orientou a IASD a não tentar definir a natureza do Espírito Santo.

"Não é essencial que sejamos capazes de definir exatamente o que seja o Espírito Santo. Cristo nos diz que o Espírito é o Consolador, o "Espírito de verdade que procede do Pai". Declara-se positivamente, a respeito do Espírito Santo, que, em sua obra de guiar os homens em toda verdade, "não falará de si mesmo". João 15:26; 16:13. A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lho revelou. Com fantasiosos pontos de vista, podem-se reunir passagens da Escritura e dar-lhes um significado humano; mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja. Com relação a tais mistérios - demasiado profundo para o entendimento humano - o silêncio é ouro." WHITE, Ellen G. Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1990, p. 51,52.

NOTA: “significado humano” quer dizer “pessoa”... Somente após a IASD ter definido a trindade (na pessoa do espírito Santo) é que passaram a usar esta citação inspirada. Agora... o silencio é ouro!!!

O livro "Atos dos Apóstolos" foi publicado em 1911 e nesta data, quatro anos antes da sua morte, onze anos após a publicação do "DTN", a Sra. White ainda dizia que não era "essencial" que fossemos "capazes de definir exatamente o que seja o Espírito Santo." Definir o que é o Espírito Santo, é o que a IASD hoje faz, quando diz que ele é a "terceira pessoa da Trindade", igual ao Pai e ao Filho; da mesma natureza, essência e substância do Pai e do Filho. Foi contra essa tentativa de definição que já rondava o arraial adventistas, que ela estava se contrapondo.

Como é que os adventistas da época que tendiam para o trinitarianismo, tentavam fazer a definição do Espírito Santo? Da mesma forma que hoje os adventistas trinitarianos fazem: tomando como referencial a pessoa humana. Como isso ocorre? Juntando-se aleatoriamente passagens que parecem dizer que o Espírito Santo fala, ensina, guia, convence, testifica, envia, intercede, entristece, etc, para tentar provar que o Espírito Santo é uma pessoa (Na realidade, os contextos bíblicos destas passagem nos apontam para a Glória do Pai ou a de Seu filho, Jesus).

Ao colocar sobre o Espírito Santo os sentimentos da pessoa humana, as ações da pessoa humana, os trinitarianos o vêem como uma pessoa e concluem que ele é também uma pessoa distinta do Pai e do Filho. Não o vêem mais como Espírito de Deus, mas agora o vêem como Deus Espírito Santo ou Espírito Santo, Deus. Quando o adventista adota essa forma de ver o Espírito Santo, caem naquilo que a Sra. White tentou evitar (e quebram o primeiro mandamento):

"A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lho revelou. Com fantasiosos pontos de vista, podem-se reunir passagens da Escritura e dar-lhes um significado humano; mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja."  WHITE, Ellen G. Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1990, p. 51,52

Veja também o que diz EGW sobre outros assuntos:

 "As Escrituras declaram que CRISTO é o "unigênito de DEUS". Ele é gerado, não criado. Quando Ele foi gerado não nos compete indagar, nem nossas mentes poderiam assimilá-lo se nos fosse indicado. O profeta Miquéias nos diz tudo quanto podemos saber sobre isto nesta palavras: "E tu, Belém Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade." Miquéias 5:2. Houve um tempo em que CRISTO procedeu e veio de DEUS, do seio do PAI (João 8:42; 1:18), mas esse tempo está tão recuado nos dias da eternidade que para a compreensão finita é praticamente sem início." Cristo e Sua Justiça, pág. 19.

"Depois de Cristo ser batizado, curvou-Se nas margens do Jordão; e nunca antes ouvira o Céu tal oração como a que saiu de Seus lábios divinos. Cristo tomou sobre Si nossa natureza. A glória de Deus, em forma de uma pomba de ouro polido, pousou por sobre Ele e, da infinita glória, foram ouvidas estas palavras: "Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo." Mat. 3:17.

A raça humana acha-se circundada pelo braço humano de Cristo, ao passo que com o braço divino Ele segura o trono do Infinito. A oração de Cristo fendeu as trevas e penetrou aonde está Deus. Isto quer dizer, para cada um de nós, que o Céu se nos acha aberto. Quer dizer que as portas estão abertas de par em par, que a glória é comunicada ao Filho de Deus e a todos quantos crêem em Seu nome. Nossa petição será ouvida no Céu, assim como Deus respondeu à petição de nosso Penhor, nosso Substituto, o Filho do infinito Deus." Manuscrito 27, 1893 (Temperança, 184)

"A voz de Battle Creek, que tem sido considerada como autoridade para determinar de que maneira deve ser efetuada a obra, não é mais a voz de Deus." Manuscript Releases, vol. 17, pág. 185. (1896) / Eventos Finais, pág. 45

"Faz alguns anos que eu considerava a Associação Geral como a voz de Deus." Manuscript Releases, vol. 17, pág. 216 (1898) / Eventos Finais, pág. 45

"A igreja está na condição laodiceana. A presença de Deus não está no meio dela." Notebook Leaflets, vol. 1, pág. 99. (1898) / Eventos Finais, pág. 44

"O inimigo porá em operação tudo para desarraigar a confiança dos crentes nas colunas de nossa fé nas mensagens do passado, as quais nos colocaram sobre a elevada plataforma da verdade eterna, e firmaram e imprimiram cunho à obra... Preciosa é a verdade para este tempo; mas aqueles cujo coração não foi quebrantado mediante o cair sobre a rocha Cristo Jesus, não verão nem compreenderão o que é a verdade. Aceitarão o que lhes agrada às idéias, e começarão a manufaturar outro fundamento que não seja aquele que foi posto. Lisonjearão sua própria vaidade e estima, pensando que são capazes de remover as colunas de nossa fé, e substituindo-as por outras de sua própria invenção." Manuscrito 28, 1890 / Mensagens Escolhidas, Vol. 2, 389.

"O plano de nossa redenção não foi um pensamento posterior, formulado depois da queda de Adão. Foi a revelação "do mistério que desde tempos eternos esteve oculto". Rom. 16:25. Foi um desdobramento dos princípios que têm sido, desde os séculos da eternidade, o fundamento do trono de Deus. Desde o princípio, Deus e Cristo sabiam da apostasia de Satanás, e da queda do homem mediante o poder enganador do apóstata. Deus não ordenou a existência do pecado. Previu-a, porém, e tomou providências para enfrentar a terrível emergência. Tão grande era Seu amor pelo mundo, que concertou entregar Seu Filho unigênito "para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna". João 3:16." O Desejado de Todas as Nações, pág. 22

"Satanás foi outrora um honrado anjo no Céu, o primeiro depois de Cristo. Seu semblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. Sua testa era alta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma era perfeita, seu porte nobre e majestoso. Mas quando Deus disse a Seu Filho: "Façamos o homem à Nossa imagem" (Gên. 1:26), Satanás teve ciúmes de Jesus. Ele desejava ser consultado sobre a formação do homem, e porque não o foi, encheu-se de inveja, ciúmes e ódio. Ele desejou receber no Céu a mais alta honra depois de Deus." Primeiros Escritos, pág. 145 (Três deuses?).

"O Rei do Universo convocou os exércitos celestiais perante Ele, para, em sua presença, apresentar a verdadeira posição de Seu Filho, e mostrar a relação que Este mantinha para com todos os seres criados. O Filho de Deus partilhava do trono do Pai, e a glória do Ser eterno, existente por Si mesmo, rodeava a ambos. Em redor do trono reuniam-se os santos anjos, em uma multidão vasta, inumerável - "milhões de milhões, e milhares de milhares" (Apoc. 5:11), estando os mais exaltados anjos, como ministros e súditos, a regozijar-se na luz que, da presença da Divindade, caía sobre eles. Perante os habitantes do Céu, reunidos, o Rei declarou que ninguém, a não ser Cristo, o Unigênito de Deus, poderia penetrar inteiramente em Seus propósitos, e a Ele foi confiado executar os poderosos conselhos de Sua vontade. O Filho de Deus executara a vontade do Pai na criação de todos os exércitos do Céu; e a Ele, bem como a Deus, eram devidas as homenagens e fidelidade daqueles." Patriarcas e Profetas, pág. 36

Eu sabia que o Ômega  se seguiria em pouco tempo; e eu tremi por nosso povo. Eu sabia que eu precisava avisar nossos irmãos e irmãs para não entrar em controvérsia sobre a presença e personalidade de Deus. As declarações feitas em The Living Temple a esse respeito são incorretas. A escritura usada para substanciar a doutrina ali colocada, é a escritura mal aplicada.” (Ibidem p.53)

O Soberano do Universo não estava só em Sua obra de beneficência. Tinha um companheiro - um cooperador que poderia apreciar Seus propósitos, e participar de Sua alegria ao dar felicidade aos seres criados. "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus." João 1:1 e 2. Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um em natureza, caráter, propósito - o único ser que poderia penetrar em todos os conselhos e propósitos de Deus.” Patriarcas e Profetas, págs. 33, 34

"Impedido pela humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente, então foi para vantagem deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-los, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser o Seu sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despido da personalidade da humanidade e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares pelo Seu Espírito, como o Onipresente. "Mas o Consolador, O Espírito Santo, a quem o Pai enviará, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito" [João 14:26]. "Mas eu vos digo a verdade; convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei" [João 16:7]. Manuscripts Releases Vol.14, página 7.

 

Pense nisto!

Provérbios 30:4 – Quem subiu ao céu e desceu? quem encerrou os ventos nos seus punhos? mas amarrou as águas no seu manto? quem estabeleceu todas as extremidades da terra? qual é o seu nome, e qual é o nome de seu filho? Certamente o sabes!

Lucas 10:18 – Respondeu-lhes ele: Eu via Satanás, como raio, cair do céu.

Marcos 13:32 – Quanto, porém, ao dia e à hora, ninguém sabe, nem os anjos no céu nem o Filho, senão o Pai.

João 6:46 – Não que alguém tenha visto o Pai, senão Aquele que é vindo de Deus; só Ele tem visto o Pai. (João 1:18; I João 4:12).

Tiago 1:13 – Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele a ninguém tenta.

Lucas 23:46 – Jesus, clamando com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou.

I Corintios 6:14 – Ora, Deus não somente ressuscitou ao Senhor, mas também nos ressuscitará a nós pelo seu poder.

Romanos 8:11 – E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. (Rom 4:24; 10:9; Gal 1:1; Col 2:12; I Tes 1:10; I Ped 1:21).

João 1:14 – E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai. (João 6)

Romanos 1:3 – ...acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne, (Rom 7:5, 18, 25).

Romanos 8:3 – Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado. (Rom 8; 9:5, I Cor 15:50; I Tim 3:16; Heb 5:7; Heb 10:20; I Ped 3:18).

Gênesis 6:3 – Então disse o Senhor: O meu Espírito não permanecerá para sempre no homem, porquanto ele é carne (carnal), mas os seus dias serão cento e vinte anos.

I João 4:2 – Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;

I  João 1:7 – Porque já muitos enganadores saíram pelo mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Tal é o enganador e o anticristo.

João 4:24Deus é espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

...é espírito, porém Santo pois procede dEle!

Gerado:

Hebreus 1:5 – Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho? Cf Salmos 2:7 (Atos 13:33; Heb 5:5).

Provérbios 8:22-30 – O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos. Desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes de existir a terra. Antes de haver abismos, fui gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água. Antes que os montes fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci, quando ele ainda não tinha feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do mundo. Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava um círculo sobre a face do abismo, quando estabelecia o firmamento em cima, quando se firmavam as fontes do abismo, quando ele fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando traçava os fundamentos da terra, então eu estava ao seu lado como arquiteto; e era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;

Cristo é anterior ao tempo e por isto é eterno junto ao Pai... Assim como Eva sempre existiu em Adão, Jesus também sempre existiu em DEUS!

MODÉSTIA (Falar de si na 3ª pessoa):

Mateus 24:27 Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do filho do homem. (João 6:46; Lucas 18:31; João 5:19-22; 18:16; II Cor 12:3)

João 14:16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre.

I João 2:1 Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.

Ajudador = Consolador = Advogado = Parakletos (João 14:26; 15:26; 16:7).

No Espírito de Profecia:

Jesus está esperando para soprar o fôlego em todos seus discípulos, e lhes dá a inspiração do seu santificado espírito, e transfundir a sua influência vital para o seu povo. ... Jesus está buscando impressionar neles o pensamento que dando o Seu Espírito Santo Ele está dando a eles a glória que o Pai lhe deu, para que Ele e o seu povo possam ser um em Deus.”. The Signs of the Times, 10-03-1892. (Sinais dos Tempos – Ellen G. White).

Jesus está buscando impressionar neles o pensamento que dando o Seu Espírito Santo Ele está dando a eles a glória que o Pai lhe deu, para que Ele e o seu povo possam ser um em Deus.

O Espírito Santo é o sopro da vida espiritual na alma. A comunicação do Espírito é a transmissão da vida de Cristo. Reveste o que O recebe com os atributos de Cristo.” O Desejado de Todas as Nações, Pág. 805 (1898)

Impedido pela humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente, então foi para vantagem deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-los, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser o Seu sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despido da personalidade da humanidade e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares pelo Seu Espírito, como o Onipresente. "Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome [embora não seja visto por vós], [*ESSA FRASE FOI ADICIONADA POR ELLEN WHITE] esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito" [João 14:26]. "Mas eu vos digo a verdade; convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei" [João 16:7].” Manuscript Releases Volume Fourteen, Page 23 and 24.

Jesus está buscando impressionar neles o pensamento que dando o Seu Espírito Santo Ele está dando a eles a glória que o Pai lhe deu, para que Ele e o seu povo possam ser um em Deus.”. The Signs of the Times, 10-03-1892.

"Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo". I Cor. 3:16 e 17. Homem algum pode de si mesmo expulsar a turba má que tomou posse do coração. Unicamente Cristo pode purificar o templo da alma. Não forçará, porém, a entrada. Não vem ao templo do coração como ao de outrora; mas diz: "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a Minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa". Apoc. 3:20. Ele virá, não somente por um dia; pois diz: "Neles habitarei, e entre eles andarei: ... e eles serão o Meu povo".  II Cor. 6:16.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 161.

 

Existem muitos outros textos do espírito de Profecia, que provam que Ellen G.White não era trinitariana, uma vez que, principalmente descrevia o espírito Santo como a manifestação da Glória de DEUS (ou de Jesus), assim como, seus escritos, no conjunto (não em textos isolados) como sendo a Natureza Humana de Cristo (pós queda, ou seja, Jesus viveu aqui como homem, não manifestando sua Natureza Divina – Fil 2:5-7 – em momento algum, pois caso contrario seria diferente de qualquer ser humano dando razão a alegação satânica de que ninguém venceria o pecado).

Isto é comprovado no Livro Nisto Cremos, capítulo 13, que enquanto usa textos bíblicos e textos de Ellen G.White, fica comprovada que a natureza de Cristo é pós-lapsariana, apesar de que, em sua conclusão final sobre o assunto (apesar dos textos em contrario) deixar claro que essa Natureza e pré-lapsariana.

 

Porque acontece isso?

Porque, se ficar provado que a Natureza de Cristo e pós-lapsariana, faria com que a Doutrina pagã da trindade caísse por terra, pois a um DEUS não se tenta... e um DEUS não morre e não teríamos um intercessor entre nós e DEUS!

 

iasdtatui@ig.com.br

 

RETORNAR